Zezé Di Camargo critica comoção pela morte de Marielle Franco

19/03/2018

 Zezé Di Camargo resolveu se manifestar sobre a morte da vereadora Marielle Franco. Mas, diferente da maior parte dos artistas que se posicionaram sobre o caso, o cantor preferiu criticar a indignação coletiva sobre o assunto e comparar a morte da ativista com a da médica Gisele Palhares Gouveia, também assassinada a tiros no Rio, mas em 2016.

Em post no Instagram, o cantor diz não entender porquê essa morte não teve tanta repercussão como a da vereadora. A questão é que o crime teve sim uma cobertura intensa da mídia. Mas nem Zezé e nem nenhum famoso que está usando esse caso como uma forma de diminuir a importância da morte de Marielle se indignou sobre o assassinato dela.

Leia mais: Entenda por que Cristiano Araújo era tão famoso para alguns e um completo desconhecido para outros

E o que o músico talvez não entenda é que quem se comove com o caso de Marielle, não está ignorando nenhuma outra morte violenta do país. Qualquer morte é lamentável. No entanto, a de uma figura pública sempre causará mais comoção do que a de um anônimo, e no caso de Marielle existe o agravante por poder ter sido uma execução com motivações políticas.

Cantor compara tragédia de 2016 com a de Marielle Franco
Cantor compara tragédia de 2016 com a de Marielle Franco
Reprodução Instagram
Na época em que Cristiano Araújo morreu vítima de um acidente de carro em Goiás, o mesmo Zezé se indgnou quando Zeca Camargo questionou os motivos que levavam tanta gente a lamentar a morte de um cantor que, para o jornalista, não era tão famoso.

E, no dia, veja só: Zezé não públicou nenhuma notícia de acidente de carro envolvendo algum anônimo e questionando os motivos da mídia não dar o mesmo tipo de importância para o caso. Dois pesos, duas medidas.

Presenciar uma figura pública fingir não entender o motivo da morte de uma pessoa famosa ter maior impacto na imprensa, demonstra que ser "fiscal/sommelier de tragédia" virou moda nas redes sociais. E isso sempre resulta em desonestidade intelectual para analisar crimes através de um viés ideológico que te ajude a "lacrar" sobre o tema. Acontece de ambos os lados, inclusive.

Zezé pode se comover com o que quiser. Inclusive deveria ter ido para a rua contra o absurdo que foi a morte de Gisele em 2016. Mas é mais conveniente ficar nas redes sociais desmerecendo a luta e a tragédia de quem não está alinhado politicamente com que ele pensa. É bem triste que uma pessoa que trabalha tantos anos com música cantando o amor não tenha desenvolvido a mínima sensibildiade para momentos como essse.

 




Outras Notícias