DEMITIDO: Rádio Correio dispensa um dos principais âncoras do programa Correio Manhã

15/07/2019
O jornalista Valderedo Borba foi demitido do sistema Correio neste domingo (14), ele era um dos âncoras do  programa matutino Correio Manhã, na 98FM de Campina Grande
O jornalista Valderedo Borba foi demitido do sistema Correio neste domingo (14), ele era um dos âncoras do programa matutino Correio Manhã, na 98FM de Campina Grande

 O jornalista Valderedo Borba foi demitido do sistema Correio neste domingo (14), ele era um dos âncoras do  programa matutino Correio Manhã, na 98FM de Campina Grande. O comunicador trabalhou no jornal impresso Correio da Paraíba e também tem passagem pelo Diário da Borborema.


O jornalista agradeceu  a diretoria pelos  anos que passou à frente do programa Correio Manhã e disse que são “tempos de mudança, e destacou que seu programa foi “líder de audiência nas manhãs”

Confira a nota na integra

Ao longo dos últimos quatro anos tive o privilégio de ser um ativador de memórias futuras, por meio da atividade como âncora do programa Correio da Manhã, na Rádio Correio FM, em Campina Grande, na Paraíba. Cheguei para assumir tal missão ainda um jovem com menos de 30 anos e já com outros quatro anos trabalhando no Sistema Correio, tendo passado antes pelo jornal impresso do grupo.

Como disse o filósofo Heráclito “Nada existe de permanente a não ser a mudança” e em assim sendo, a partir desta segunda-feira, 15 de julho de 2019, já não integro mais o Sistema Correio de Comunicação. Temos mudanças em curso. Mas, preciso agradecer a oportunidade que tive de ter estado nesta empresa por quase 10 anos, sendo a última metade especificamente trabalhando em favor de um “jornalismo que pensa e que faz pensar”.

Epicuro ensinou que as pessoas felizes lembram o passado com gratidão e esse é o meu sentimento de agora.
Como não agradecer por ocupar uma mídia que na interpretação de McLuhan reduz o mundo a uma aldeia? E ainda fazer isso sendo líder de audiência nas manhãs de Campina Grande? Como não agradecer por ser recebido nas casas das pessoas, logo nas primeiras horas da manhã e ainda pegar carona com elas em direção ao trabalho, ao local de estudo ou do exercício do corpo? 
Preciso agradecer ter estado na emissora durante uma fase de tantas mudanças importantes no País. Ao longo deste tempo busquei apresentar versões dos fatos a partir do meu senso crítico, com formação cidadã e jornalística forjadas em base democrática.

Entre 2015 e 2019 noticiamos o cotidiano local, com acentuado espaço para o debate político, exatamente a área onde não se pode ter memória curta. Busquei problematizar juntamente com o público de todas as manhãs, o que não seria possível sem o aval da empresa.

Nesse sentido, quero agradecer publicamente a diretora de Jornalismo, Sony Lacerda, a diretora presidente do grupo, drª Beatriz Ribeiro, aos companheiros leais de labuta, Carlos Sousa e Hiran Barosa, e ao timoneiro do Sistema Correio, Drº Roberto Cavalcanti, sobretudo pelo respeito ao meu trabalho, expresso por meio da liberdade de imprensa para o exercício do debate democrático, tão indispensável ao jornalismo.

Tenho ainda dois últimos agradecimentos a fazer: um dirigido a todos aqueles que acreditaram no Programa, associando-se como patrocinadores por avaliar que agregariam valor a suas marcas e outro especialmente direcionado ao público ouvinte que me acompanhou ao longo desse período. Rubem Alves tem uma frase que diz “Não é bastante ter ouvidos para ouvir o que é dito. É preciso também que haja silêncio dentro da alma.”, gratidão não particularmente aos que concordaram com minhas opiniões, mas aos que alinhados ou não com as minhas ponderações, me ouviram com alma. Para todos e cada um desses, além de agradecer, desejo que mantenhamos a nossa sintonia, mesmo que em uma outra freqüência. Inspirado em José Saramago eu diria que “Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo” para o nosso reencontro de narrativas de novas memórias. Até breve!

Atenciosamente, Valderêdo Borba

 

 

 

 

 

 

 




Outras Notícias