Covid-19: voluntários atuam para suprir informações em Libras

09/05/2020

 Enquanto a maior parte da população brasileira é bombardeada com informações oficiais e notícias sobre o novo coronavírus, esse conteúdo não chega na mesma medida às pessoas surdas ou com deficiência auditiva que estão dependendo de ações voluntárias para ter acesso a dados corretos e explicações sobre a covid-19. Angústia, abandono, desespero e pânico são os sentimentos descritos por essas pessoas neste momento.

É assim para a professora universitária Carilissa Dall’Alba, de Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Ela é surda e tem o português como segundo idioma, depois da Língua Brasileira de Sinais (Libras), então se mantém informada pela leitura. “Mas fico muito tensa quando os telejornais não têm legendas, fico perdida e angustiada. Fico muito preocupada com os surdos que não têm acesso à língua portuguesa e não compreendem bem as escritas, eles estão pedindo informações nas redes sociais por estarem perdidos e isso me dói”, contou à Agência Brasil.

Para ela, as redes de apoio de intérpretes de Libras são muito importantes, mas não conseguem suprir a demanda de informação e ter o alcance necessário. A professora acredita, por exemplo, que é um direito linguístico e humano dos surdos que os telejornais, nos canais abertos de televisão, como concessões públicas, utilizem legendas e intérpretes de Libras. “Os surdos que não têm redes sociais estão em maior risco com falta de informações preventivas”, argumentou, alertando ainda para as fake news.

De acordo com os dados do Censo de 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 9,7 milhões de brasileiros são surdos ou têm algum tipo de deficiência auditiva. Na Pesquisa Nacional de Saúde 2013, também do IBGE, cerca de 2,2 milhões de pessoas declararam ter deficiência auditiva. O grupo representa 1,1% da população brasileira.

O Núcleo de Acessibilidade da Universidade Federal de Santa Maria, onde Carilissa dá aula de Libras, criou um canal no facebook para transmitir informações articuladas sobre a pandemia aos surdos.

Sem fake news

Também no facebook, a educadora e intérprete de Libras Ângela Russo, junto com um colega do Núcleo de Inclusão e Acessibilidade da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, também criou o grupo Central Libras/Coronavirus. “A gente sabe que a grande mídia não passa as informações em Libras, então tivemos a ideia de criar o grupo com o objetivo de interpretar notícias e informações oficiais do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde, para que as pessoas surdas pudessem ter informações corretas”, explicou.

O grupo também compartilha materiais produzidos por outras entidades e órgãos públicos. Mas a interpretação tem que ser de qualidade e a informação séria e correta, sem fake news. O uso desses filtros, segundo Ângela, já criou um vínculo de confiança com as pessoas e, desde 17 de março, o grupo já atraiu mais de 9 mil membros.

A rede de intérpretes também cresceu e, para Ângela, isso vai ajudar na sustentabilidade do grupo em longo prazo, já que há informações novas todos os dias. No início, eram produzidos cerca de 20 vídeos ao dia e com as informações básicas, sobre a forma correta de lavar as mãos e usar a máscara, a importância do isolamento e outras medidas, que não chegam corretamente até as pessoas surdas.

Em um dos vídeos, Ângela recomenda o uso do aplicativo Coronavírus-SUS, do Ministério da Saúde, que, segundo ela, apesar de ser apenas em português e não ter interpretação, têm dados básicos para as pessoas se informarem. “Cada um contribui com o que pode. Estamos tentando, na medida do possível, dar conta dessa parcela da população que fica à margem desse turbilhão de notícias que a gente [pessoas ouvintes] recebe, para alertar o pessoal que é grave mesmo”, disse.

A auxiliar administrativa Joana D’Arc Cavalcante, de Brasília, é surda e acredita que os órgãos públicos deveriam criar canais de comunicação em Libras, principalmente nas redes sociais. “Alguns surdos só estão informados por causa dos vídeos no instagram”, disse, explicando que há diferentes níveis de compreensão entre os surdos e as pessoas com deficiência auditiva e que o conteúdo pode ser ajustado para compreensão de todos.

Profissão intérprete

Para a professora Carilissa, a pandemia e o isolamento mexeram muito com as nossas emoções, e a rede de intérpretes voluntários mostra a empatia e a humanidade das pessoas neste momento de incertezas. Mas ela reforça que a acessibilidade para pessoas com deficiência ainda é muito precária no país, e os interpretes merecem ser reconhecidos como os profissionais qualificados que são. “Não é certo colocar voluntários para atender às pessoas com deficiências. Não queremos assistencialismo”, destacou. “Os intérpretes estão se matando para deixar os surdos informados. É triste precisar de voluntários em um país que pode dar suporte para surdos”.

A educadora Ângela concorda, mas diz que, para ela, neste momento, é a contribuição que pode dar como servidora pública, assim como outros intérpretes de universidades federais que estão trabalhando remotamente e dedicam tempo significativo para manter a comunidade surda bem informada. “As pessoas nos reconhecem como confiáveis”, disse.

Ela faz um alerta, entretanto, sobre pessoas que não são interpretes, mas acabam se vendendo para fazer esse trabalho. Ângela citou o caso do pronunciamento de um gestor público em que o intérprete que o acompanhava não era qualificado e, claro, os surdos perceberam. Segundo ela, a Federação Brasileira das Associações dos Profissionais Tradutores e Intérpretes e Guia-Intérpretes de Língua de Sinais (Febrapils) e a Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (Feneis) estão atentos e podem orientar os gestores.

A Febrapils também divulgou um documento com orientações de segurança aos interpretes. Segundo Ângela, um colega intérprete, que acompanhava o prefeito de uma capital em pronunciamento, morreu, aos 34 anos, vítima do coronavírus. Ela explica que é comum levar as mãos ao rosto na hora de sinalizar, por isso é preciso que o intérprete se higienize constantemente.

A Língua Brasileira de Sinais é, assim como o português, idioma oficial do Brasil desde 2002, mas tem estrutura gramatical própria que não está vinculada à língua oral, com interpretações das expressões manual, corporal e facial.

O vídeo da professora Carilissa Dall’Alba ensina sinais novos em Libras ou que não são muito usados, relacionadas à pandemia de coronavírus.

Uso de máscaras

A fonoaudióloga Cristiane Scardovelli é coordenadora de Saúde do Centro Educacional da Audição e Linguagem Ludovico Pavoni (Ceal-LP) em Brasília, instituição credenciada pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal para atendimento a pessoas surdas ou com deficiência auditiva. Como presta serviços de saúde, permanece aberto com a adoção de medidas de prevenção à disseminação do novo coronavírus, como espaçamento e higienização.

Cristiane explicou à Agência Brasil que há realidades variadas entre surdos e pessoas com deficiência auditiva, como aquelas que podem ser alfabetizadas em português, as que tem resquícios de audição e implantes, as que conseguem desenvolver a leitura labial, além da Libras. O uso da máscara prejudica a comunicação em todos esses casos.

Os profissionais da unidade passaram a usar máscaras transparentes, que deixam os lábios à mostra, para fazer leitura labial. Outra opção disponível é o face shield, uma máscara feita de plástico transparente que cobre o rosto todo. Nesse último caso, a fonoaudióloga explicou que há uma perda na acuidade de 15 a 20 decibeis na emissão do som. Por isso, os profissionais do Ceal-LP passaram também a subir o tom de voz.

A auxiliar Joana D’Arc é surda oralizada, ou seja, consegue fazer leitura labial. Ela trabalha no Ceal-LP e entende a necessidade do uso das máscaras como forma de prevenção ao coronavírus, mas sente a dificuldade em dialogar sem a leitura labial. [Temos foto da Joana em anexo]

Atendimento médico

Por isso, Joana já prevê dificuldades, caso venha precisar de atendimento médico em hospitais. Mesmo antes da pandemia, segundo ela, as consultas são muito rápidas e o médico não pára para entender as queixas do paciente surdo. Agora, o uso constante da máscara pode atrapalhar ainda mais. “Seria interessante o uso [pelos médicos] de máscara que favorece a leitura labial”, opinou.

Para a professora Carilissa, as equipes de saúde não estão preparadas. “Até hoje não encontrei um surdo que teve covid-19 ou suspeita, que foi atendido com intérprete de Libras. Não podem ir com família. Tudo é sozinho. [Os médicos] escrevem para eles nos papéis, mas tem surdos que não sabem ler, e a linguagem da área de saúde é complicada. E as máscaras que não podem ser retiradas agora? Assim não conseguimos ler os lábios. Situação complicada. Nenhuma unidade de saúde está preparada para atender surdos”, lamentou.

O problema não é restrito ao sistema público. Segundo Carilissa, o seu plano de saúde privado também não oferece suporte de comunicação em Libras. A professora sugere a criação de um canal para os surdos ligarem nos postos de saúde e hospitais ou uma plataforma de vídeo, por exemplo, com intérpretes para intermediar a consulta médica. Ou mesmo, a presença de intérpretes de Libras com fluência.

No Distrito Federal, por exemplo, o governo local iniciou um projeto de formação em Libras para profissionais de saúde. Já foram treinados 217 servidores da assistência à saúde que atendem diretamente à população. Uma lei distrital (n° 6.300/2019) assegura a disponibilização de profissional apto a se comunicar em Libras nos órgãos da rede pública de saúde.

Segundo a diretora de Desenvolvimento Estratégico de Pessoas da Secretaria de Saúde, Diluana Oliveira, os próprios pacientes surdos indicam para os amigos e familiares e, com isso, alguns hospitais tiveram aumento na demanda por se tornarem referência. O atendimento é feito desde a classificação – assim que o paciente é categorizado, o profissional da saúde o acompanha na consulta com o médico, exames e medicação.

A Secretaria da Pessoa com Deficiência do DF também preparou informações sobre a covid-19 e orientações específicas a esse público. Aqueles com deficiência auditiva, usuários de Libras, terão um plantão de serviços da Central de Interpretação de Libras (CIL), por meio de videochamada. Basta ligar no número (61) 99260-1041 ou pelo e-mail gl@sejus.df.gov.br.

 



Compartilhe:


Outras Notícias