Em Carta ao PSB, Azevêdo, Galdino e 23 diretorianos dizem que não aceitam dissolução e recusam Comissão Provisória; confira o documento

09/09/2019
PSB nacional ignorou a carta assinada pelo governador e outros 24 diretorianos da Paraíba, que recusa a destituição do diretório estadual com Edvaldo Rosas como presidente.
PSB nacional ignorou a carta assinada pelo governador e outros 24 diretorianos da Paraíba, que recusa a destituição do diretório estadual com Edvaldo Rosas como presidente.

 Conheça o teor do documento assinado pelo governador da Paraíba, João Azevedo; pelo presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Adriano Galdino, e por outros 23 diretorianos do PSB estadual, encaminhada ao presidente nacional da legenda, Carlos Siqueira.

O documento foi lido durante a reunião da Comissão Nacional do PSB, na tarde desta segunda-feira (9), em Brasília-DF, que definiu a nomeação, por unanimidade, de uma nova comissão provisória do partido na Paraíba, tendo Ricardo Coutinho como presidente da legenda no Estado, e João Azevêdo, como vice-presidente.

 

No documento, o grupo relata que não aceita a mudança no comando do partido na Paraíba, mesmo que o nome indicado seja o do ex-governador Ricardo Coutinho. Eles pedem a continuidade de Edvaldo Rosas – destituído do mandato por Carlos Siqueira, em 16 de agosto – na presidência do PSB.  

O documento revela ainda que “no dia 20 de maio de 2019, em reunião da Executiva Estadual do PSB, foi passado o comando político [do PSB-PB] para o ex-governador Ricardo Coutinho em comum acordo com o presidente Edvaldo Rosas, quando o mesmo ainda ofereceu a presidência a Ricardo para que este conduzisse as articulações para as eleições municipais do próximo ano. Ricardo de imediato recusou e disse que o partido estava no rumo certo”.

Conta ainda que no dia 30 de julho de 2019, o presidente Edvaldo Rosas foi nomeado secretário Estadual do Governo do Estado pelo governador João Azevêdo, e no dia seguinte, dia 31, a deputada Maria Aparecida Ramos concedeu entrevista afirmando que Edvaldo Rosas tinha que entregar o cargo de presidente do partido, argumentando não ser compatível presidir a legenda e ser secretário de Governo. Na mesma sintonia, a deputada Estela Bezerra defendeu o afastamento de Rosas.

O grupo relata que a crise dentro do PSB da Paraíba tem gerado instabilidade política e insegurança jurídica entre os filiados da legenda. “Gostaríamos de informar ainda à Direção Nacional, que várias lideranças estaduais, entre prefeitos, vereadores e deputados, têm nos procurado manifestando a tendência de deixar nossa legenda diante do clima de turbulência e insegurança, tanto jurídica quanto política, tendo em vista as eleições municipais do próximo ano”, diz trecho da carta.

E os diretorianos do PSB concluem: “Uma vez eleito, o Diretório precisa completar seu mandato normalmente. Entendemos como medida anti-democrática destituir um Diretório legitimamente eleito e substituí-lo por uma Comissão Provisória, mesmo esta sendo paritária e sob a tese da busca da unidade, já que esta mesma unidade sempre tivemos no partido durante toda a nossa trajetória. Portanto, não há interesse na participação em Comissão Provisória. DEMOCRACIA, SEMPRE! RETROCESSO, JAMAIS!”.

Confira a carta na íntegra:




Outras Notícias