ELEIÇÕES 2022 - Republicanos vive "inferno astral" e TSE dá empurrão para impasse de aliança na chapa de João Azevêdo

Por Roberto Notícias Por Roberto Notícias - 24/06/2022 19:56
Foto Reprodução - Montagem: Sistema 1001 Notícias de Comunicação
Foto Reprodução - Montagem: Sistema 1001 Notícias de Comunicação

EXCLUSIVO  -  O Republicanos vivencia um verdadeiro inferno astral. Primeiro, viu a vaga de vice na pretensa chapa à reeleição do governador João Azevêdo cair nos braços do Progressistas. Agora, o Tribunal Superior Eleitoral decidiu que partidos coligados para concorrer ao governo do estado não podem fazer outra aliança para o cargo de senador.

Ou seja, se o Republicanos se coligar a João Azevêdo, a aliança com o deputado federal Efraim Filho (União Brasil), pré-candidato ao Senado na pretensa chapa de Pedro Cunha Lima (PSDB), será apenas “de boca”.

É esperada uma conversa definitiva entre o deputado federal Hugo Motta e o governador, na próxima sexta-feira (24), em Patos, berço político do parlamentar. Podem pular a fogueira ou deixá-la acesa.

Por maioria de votos, os ministros do TSE mantiveram a jurisprudência da Corte no sentido de vedar a possibilidade de que as agremiações que se uniram para disputar a vaga de governador formem coligações distintas com o intuito de concorrer ao Senado Federal.

No entanto, caso a coligação não abranja as duas vagas (governador e senador), o Tribunal autorizou os partidos a lançarem candidaturas próprias – fora da aliança – para o cargo remanescente.

Assim, também foi confirmada a possibilidade de uma agremiação, sem integrar qualquer coligação, lançar candidata ou candidato ao cargo de senador individualmente.

A decisão foi tomada durante a análise de uma consulta formulada pelo deputado federal Waldir Soares de Oliveira (PSL-GO, atual União Brasil – partido de Efraim Filho).

Ele perguntou ao TSE se, em uma situação hipotética, considerando que os partidos A, B, C e D façam parte da coligação majoritária para governador do Estado X, existiria obrigatoriedade que essas agremiações participassem da mesma coligação majoritária para o cargo de senador; se os partidos coligados ao cargo de governador poderiam lançar individualmente candidatos para senador; e se o partido A, sem integrar qualquer coligação, poderia lançar individualmente candidato ao Senado Federal.

O julgamento foi iniciado na sessão de 14 de junho, com o voto do relator, ministro Ricardo Lewandowski, no sentido de responder negativamente à primeira pergunta e positivamente aos demais questionamentos.

Ele defendeu que as legendas têm autonomia para estabelecer as regras das coligações majoritárias por elas formadas.

Leia mais notícias no Portal 1001 Notícias. 

Acesse: www.1001noticias.com.br

http://www.radiozonasulfm.com

http://www.roberto.1001noticias.com.br

http://www.tv1001noticias.com.br/  

Siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube.

Você também pode enviar informações à Redação do Portal 1001 Noticias pelo WhatsApp (83) 9 88 66 - 50 11

Instagram - https://www.instagram.com/portal1001noticias/

Roberto Noticia  -  Jornalista -  DRT 4511/88  

@1001noticias.com.br - @roberto1001noticias @jornalismo -@noticia - @robertonoticia 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente.

Com Sony Lacerda



Compartilhe:


Outras Notícias


  • Cássio Cunha Lima revela emoção em retornar ao Parque do Povo no Maior São João do Mundo

  • Bolsonaro soube da gravação telefônica de Milton Ribeiro na Vila Sítio São João e perdeu o apatite

  • Ao lado de Bruno, Bolsonaro chega ao Parque do Povo para prestigiar São João de Campina Grande

avançar voltar