Em evento conservador, Bolsonaro diz que está à disposição da imprensa para ‘ser sabatinado’

Por Jacyara CristinaRedação Por Redação - 07/07/2024 22:37
Foto Reprodução - Montagem: Sistema 1001 Notícias de Comunicação
Foto Reprodução - Montagem: Sistema 1001 Notícias de Comunicação

 O ex-presidente Jair Bolsonaro disse em discurso nesse sábado (6) que se coloca à disposição da imprensa para, por 2h e ao vivo, “ser sabatinado sobre qualquer coisa”.

Bolsonaro deu a declaração em um evento que reúne, neste fim de semana, políticos conservadores em Camboriú (SC). É a Conferência da Ação Política Conservadora (CPAC), versão brasileira do evento Conservative Political Action Conference, considerado o maior fórum conservador dos Estados Unidos.

O presidente da Argentina, Javier Milei, é um dos convidados.

Em um fala na abertura do evento, Bolsonaro buscou exaltar a ideologia conservadora para o desenvolvimento do Brasil. Ressaltou que o país é feito de pessoas cristãs e trabalhadores ordeiros.

Seguindo o raciocínio, o ex-presidente afirmou que o país está muito perto de atingir o sucesso como nação, mas que algumas coisas ainda “atrapalham”. Ele não exemplificou o que seriam essas coisas.

Na sequência, disse que está à disposição da “grande imprensa” que o critica.

“Apesar de quaisquer outras questões que nos atrapalham, tenho certeza. Termino aqui sem citar nomes, mas à grande imprensa que me critica, estou à disposição de vocês por duas horas para ser sabatinado sobre qualquer coisa. Se acham que vão me desgastar, saibam que as mídias sociais nos deram a liberdade e, por isso, querem censurar”, afirmou Bolsonaro.

Ele ressaltou que se propõe a responder às perguntas por 2h, desde que seja ao vivo.

“Repito, estou à disposição por duas horas. Será a maior audiência da história dessa televisão, pode ter certeza. Estou pronto para discutir sobre tudo, qualquer assunto, ao vivo, sem manipulação e sem edições”, completou.

Nesta sexta-feira (5), a Polícia Federal enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) o indiciamento de Bolsonaro e mais 11 pessoas no caso das joias sauditas. No discurso, o ex-presidente não mencionou o indiciamento.

Conjuntos de joias milionárias foram dadas de presente pelo governo da Arábia Saudita ao governo brasileiro quando Bolsonaro era presidente. As investigações da PF apontam que Bolsonaro e auxiliares tentaram transformar as joias em patrimônio pessoal, em vez de patrimônio do Estado, como manda a lei.

A PF indiciou Bolsonaro por três crimes: peculato, que é a apropriação de bens públicos, associação criminosa e lavagem de dinheiro (entenda aqui os crimes).



Compartilhe:


Outras Notícias


  • Deputado Ruy Carneiro volta a atacar juiz responsável por sua condenação no Caso Desk

  • Curral de Cima promove a 15ª Cavalgada em Defesa do Meio Ambiente no dia 28 de julho

  • RECONHECIMENTO - “É muito bom fazer parte de um governo que vem trabalhado pela Paraíba”, diz Lucas Ribeiro

avançar voltar