Ministério Público manda Prefeitura de Rio Tinto cancelar show de Xand Avião

Por Jacyara CristinaRedação Por Redação - 01/04/2024 15:51
Foto Reprodução - Montagem: Sistema 1001 Notícias de Comunicação
Foto Reprodução - Montagem: Sistema 1001 Notícias de Comunicação

 O Ministério Público da Paraíba (MPPB) determinou uma recomendação para que a Prefeitura de Rio Tinto não realize um show com Xand Avião. A apresentação estava prevista para acontecer no dia 21 de maio, na festa da padroeira do município. O gasto, que giraria em torno de R$ 400 mil apenas com o artista, foi denunciado pelo ClickPB.

Como notado pelo ClickPB, o Ministério Público informou que ação tem como intenção evitar prejuízos ao erário e prevenir também a prática de ilícito eleitoral. A recomendação foi expedida pelo promotor de Justiça José Raldeck de Oliveira, que atua na defesa do patrimônio público e na 55ª zona eleitoral.

De acordo com o próprio MPPB, a ação foi tomada após divulgações sobre o gasto com a atração. O ClickPB denunciou a contratação no dia 5 de março.

Segundo o promotor de Justiça, após consulta ao site do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), foi constatado que, apenas o cachê do artista representará uma despesa de R$ 400 mil ao Município.

Como visto pelo ClickPB, o MPPB considera o gasto como exorbitante e ocorre em detrimento de outras ações e políticas públicas que deveriam ser priorizadas pelo poder executivo municipal, como o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que permaneceu desativado por meses; o matadouro público, que foi fechado em razão da precária condição higiênico-sanitária em que se encontrava; e a ausência de implementação do Plano Municipal de Atendimento Socioeducativo, destinado a criança e ao adolescente.

 


Compartilhe:


Outras Notícias


  • PREVISÃO DO TEMPO - João Pessoa registra chuva forte e trovões; meteorologia alerta para perigo

  • Federação rachada em João Pessoa: PSDB com Ruy Carneiro e Cidadania com Cícero Lucena

  • POSICIONAMENTO - Adriano Galdino diz respeitar opinião de João Azevêdo, mas não volta atrás em análise política sobre 2026: “Falo o que penso”

avançar voltar