Mutirão de Renegociação de Dívidas acontece a partir desta segunda-feira em JP; confira

Por Jacyara CristinaRedação Por Redação - 01/04/2024 13:55
Foto Reprodução - Montagem: Sistema 1001 Notícias de Comunicação
Foto Reprodução - Montagem: Sistema 1001 Notícias de Comunicação

 O Mutirão de Renegociação de Dívidas acontece a partir desta segunda-feira (1º), em João Pessoa. Esta é a 73º edição realizada pelo Procon-PB. O evento segue até a sexta-feira (5), das 8h às 16h, e é uma oportunidade para os consumidores quitarem suas pendências financeiras. A sede do Procon-PB fica na avenida Almirante Barroso, 693, no Centro da Capital. As fichas serão distribuídas até às 14h.

A iniciativa visa oferecer uma solução para os consumidores endividados, proporcionando a oportunidade de regularizarem sua situação financeira e evitarem possíveis problemas futuros. Além disso, o mutirão contribui para a redução do endividamento da população e promove a educação financeira.

Como participar?

Para serem atendidos no mutirão, os consumidores que reconhecem suas dívidas e desejam negociá-las devem comparecer munidos de RG, CPF, comprovante de residência e toda documentação relacionada à dívida que desejam renegociar.

O Mutirão é uma parceria entre o Procon-PB e diversas empresas, incluindo Cagepa, Energisa, escolas particulares, empresas de telefonia (OI, TIM, Vivo), TV por assinatura e instituições financeiras. Durante o evento, os consumidores terão a oportunidade de renegociar suas dívidas em condições especiais, permitindo que recuperem seu poder de compra e sejam reintegrados ao mercado de consumo.

Outras informações sobre a ação podem ser obtidas através dos seguintes contatos: (83)9-8863-5284, disque 151 gratuito ou pelo site: procon.pb.gov.br.



Compartilhe:


Outras Notícias


  • PREVISÃO DO TEMPO - João Pessoa registra chuva forte e trovões; meteorologia alerta para perigo

  • Federação rachada em João Pessoa: PSDB com Ruy Carneiro e Cidadania com Cícero Lucena

  • POSICIONAMENTO - Adriano Galdino diz respeitar opinião de João Azevêdo, mas não volta atrás em análise política sobre 2026: “Falo o que penso”

avançar voltar