ESQUEMA - Advogado revela que padre Egídio armou compra e locação de carro ao Padre Zé para incrementar salário de ex-diretora

Por Jacyara CristinaRedação Por Redação - 21/11/2023 07:11
Foto Reprodução - Montagem: Sistema 1001 Notícias de Comunicação
Foto Reprodução - Montagem: Sistema 1001 Notícias de Comunicação

 O advogado Diego Wallace, que integra a defesa de Jannyne Dantas e Amanda Duarte, revelou em entrevista ao programa Arapuan Verdade, da rádio Arapuan FM, que o veículo Spin comprado com dinheiro do hospital e locado novamente à instituição seria uma forma de “incremento” de salário. A entrevista com o advogado foi ao ar nesta segunda-feira (20), como acompanhou o ClickPB, após a prisão do padre Egídio de Carvalho e das ex-diretoras do Hospital Padre Zé, Jannyne Dantas e Amanda Duarte.

De acordo com o advogado, ao ser interpelado pelo jornalista Clilson Júnior, Jannyne teria concordado com a compra do veículo em seu nome e locação ao Hospital Padre Zé “de forma inocente”. Segundo a investigação do Gaeco, o carro foi comprado com dinheiro advindo de recursos recebidos pelo Hospital Padre Zé, como vem acompanhando o ClickPB. Como apurou o ClickPB, a locação do veículo garantia o pagamento mensal de R$ 3.572 para a sua proprietária. A questão é que o carro foi pago com dinheiro do Instituto São José, conforme detalhou a investigação.

O argumento que teria sido utilizado pelo padre Egídio para convencer a ex-diretora é de que o dinheiro decorrente da locação serviria como incremento salarial. Segundo sustentou Diego Wallace, “não era como se ela tivesse alugado. Aquele instrumento foi elaborado justamente nessa condição. Ele disse: ‘eu posso aumentar seu salário. Agora, você terá que fazer isso’”.

De acordo com o relato do advogado, o caso específico do carro “é uma questão muito particular”. Diego Wallace explicou que já fazia algum tempo que Jannyne solicitava aumento em seu salário, o que vinha sendo declinado pelo padre Egídio, que dizia não poder bancar o aumento.

“Houve essa emenda, para locação desse veículo, especificamente. Inclusive, esse veículo ele queria colocar no nome de Amanda. Só que Amanda estava fazendo um financiamento bancário do imóvel dela e não se permitia. Porque o banco faz uma análise de endividamento. Então ele sugeriu que se colocasse no nome de Jannyne. E, de forma inocente, posso até dizer assim, ela concordou”, relatou o advogado de defesa das ex-diretoras.

Entenda o caso

O ClickPB teve acesso, com exclusividade, a documentos oficiais da investigação que explicam todo o combinado. Segundo apurou o ClickPB, o carro modelo Spin de ano 2022 e com placa QFF-0E31 pertence a Jannyne Dantas, mas teria sido adquirido por Amanda Duarte sob ordens do Padre Egídio. Jannyne ocupava o cargo de diretora administrativa do Hospital Padre Zé, já Amanda era a tesoureira da instituição.

Consta nos documentos que Amanda Duarte teria sacado a quantia de R$ 122 mil de uma conta bancária do Instituto São José para que a compra do veículo fosse efetivada. O cheque teria sido subscrito por Amanda Duarte e sacado por Jannyne Dantas. O esquema teria sido totalmente comandado pelo padre Egídio de Carvalho.

 

Após o carro ter sido adquirido com dinheiro do próprio Instituto São José, o grupo conseguiu locar o mesmo veículo de volta ao Instituto São José. Conforme apuração do ClickPB, o Instituto São José realizava o pagamento mensal de R$ 3.572 pela locação do carro que havia sido adquirido com dinheiro do próprio Instituto.



Compartilhe:


Outras Notícias


  • BOA VENTURA - Auditores do TCE-PB abrem cofre em busca de R$ 500 mil, mas só acham R$ 0,05

  • MILIONÁRIO - 15 milhões; o mais caro São João do mundo começa hoje em Santa Rita desafiando TCE e MP

  • Cícero Lucena anuncia aumento da frota de ônibus em João Pessoa

avançar voltar